Quinta-feira, 22 de Março de 2007

Affonso Romano de Sant'Anna


Limites do Amor

Condenado estou a te amar
nos meus limites
até que exausta e mais querendo
um amor total, livre das cercas,
te despeça de mim, sofrida,
na direção de outro amor
que pensas ser total e total será
nos seus limites da vida.

O amor não se mede
pela liberdade de se expor nas praças
e bares, em empecilho.
É claro que isto é bom e, às vezes,
sublime.
Mas se ama também de outra forma, incerta,
e este o mistério:

- ilimitado o amor às vezes se limita,
proibido é que o amor às vezes se liberta.
Ele quis morrer para arrasar a morte e voltar.

Affonso Romano de Sant'Anna

sinto-me:
publicado por anari às 08:16

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Porque será?

. A Vida Que Nos Escapa Ent...

. Paulo Geraldo - Sentado n...

. Para viver um grande amor...

. Insiste Em Ti Mesmo

. Sophia de Mello Breyner -...

. O Amor

. Affonso Romano de Sant'An...

. Soneto do Cativo

. A Fidelidade é a mais Int...

.arquivos

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds