Segunda-feira, 26 de Março de 2007

Sophia de Mello Breyner - Nunca mais

Nunca mais
A tua face será pura limpa e viva
Nem o teu andar como onda fugitiva
Se poderá nos passos do tempo tecer.
E nunca mais darei ao tempo a minha vida.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.
A luz da tarde mostra-me os destroços
Do teu ser. Em breve a podridão
Beberá os teus olhos e os teus ossos
Tomando a tua mão na sua mão.

Nunca mais amarei quem não possa viver
Sempre,
Porque eu amei como se fossem eternos
A glória, a luz e o brilho do teu ser.
Amei-te em verdade e transparência
E nem sequer me resta a tua ausência.
És um rosto de nojo e negação
E eu fecho os olhos para não te ver.

Nunca mais servirei senhor que possa morrer.

 

sinto-me:
publicado por anari às 08:13

link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Porque será?

. A Vida Que Nos Escapa Ent...

. Paulo Geraldo - Sentado n...

. Para viver um grande amor...

. Insiste Em Ti Mesmo

. Sophia de Mello Breyner -...

. O Amor

. Affonso Romano de Sant'An...

. Soneto do Cativo

. A Fidelidade é a mais Int...

.arquivos

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

blogs SAPO

.subscrever feeds